domingo, 4 de novembro de 2012

Boceprevir e cerveja sem álcool: novas emoções!


Pior que os efeitos colaterais dos remédios para curar a Hepatite C é uma cerveja sem álcool quente!!!!!!! 

   Comecei hoje uma nova etapa do combate ao vírus da Hepatite C. Entro na quinta semana do tratamento (agora só faltam 20 semanas...hummm), e começo a tomar o Boceprevir, um antiviral que ataca diretamente o Flavivíru.

   A briga é boa! Todos aqueles efeitos colaterais desagradáveis que eu sentia com os remédios anteriores, Interferon e Ribavirina, agora sinto em dobro, com um diferencial: a náusea! Maior barato!

   Esses medicamentos todos tem a depressão e o desânimo com efeitos colaterais. A anemia profunda que começa agora, me acompanhará por todo o tratamento. É uma anemia medicamentosa. As hemácias que transportam o axigênio pelo sangue também transportam o Boceprevir. Os dois brigam e acabam matando as hemácias. Simples assim!

   Por incrível que pareça quanto mais profunda a anemia maior o indicativo de cura da doença. É o tal ter que morrer para nascer de novo! Então tá!!!!!

   É importante ter conciência de que me sinto assim por que os remédios agem no meu sistema nervoso central. Então eu sei que tudo isso é dos remédios e não da minha cabeça, afinal sou uma pessoa alegre e extremamente otimista!

   Mas que tá tudo uma merda, ah! Isso está!!!! O mundo deve acabar por esses dias!!!!

Cervejas
   Tenho estudado com afinco o efeito, ou o não efeito, das cervejas sem álcool na cabeça de um bom ex-bebedor.   Experimento nacionais e importadas. Tenho ganhado muitos presentes de amigos. Outro dia, o amigo Marcelo ligou e disse que para eu passar no shopping Beira Mar para pegar uma caixa de Schneider Weisse que havia deixado comprada lá.

   A Schneider Weisse Tap 3 é uma delícia de cerveja de trigo, sem álcool, não é filtrada nem pasteurizada. Tem um gosto forte de caramelo. É boa depois de um exercício, bem gelada. Efervescente quando toca a língua e harmoniosa no final. Mas é para tomar duas garrafas no máximo.


   A Erdinger Weissbier Alkoholfrei é uma das melhores. Tem um creme denso e consistente. Malteada e com um amargor que equilibra bem o conjunto. Suave, mas sem lúpulo e principalmente sem trigo. Mesmo assim, de todas, acho que é a melhor...no momento!

   Das nacionais já passei por todas. A Opa, de Joinville, é boa...para tomar duas. As mais comuns de se encontrar no mercado são a Liber (Brahma), a Schin e a Bavária sem álcool. Por incrível que pareça, a Schin, sem álcool, é das melhores. Com álcool é intragável! É uma cerveja um pouco doce com um finalzinho amargo, aquele que se sente no fim da garganta. Tem um creme branco denso. De lúpulo?...nem lembrança.

   A Bavária é braba! Sem creme, quase sem sabor algum, aroma de ferrugem e como diria um amigo meu, mais conhecedor que eu: - tem uma levíssima sugestão de cereais não malteados, com retrogosto de xarope de criança...Affe!!!!


   Ontem, porém, tive uma grata surpresa. Descobri a Itaipava sem álcool. Gostei bastante. Mas como o meu paladar vai mudando, ou desaparecendo, com o efeito dos remédios, vou experimentando, gostando e desgostando das cervejas o tempo todo. Da maioria acabo enjoando.

   É o caso da Liber, da Brahma, a sem álcool mais comum nos supermercados. É leve com um sabor de fruta passada. Não tem lúpulo e o malte, quando se percebe, entra com sabor pouco agradável. Enjoativa!

Bem, a oferta de cerveja sem álcool nos bares é um problema. Quando tem, está quente! Ninguém leva a sério um ex-bom bebedor de cerveja.

   Pior que os efeitos colaterais dos remédios para curar a Hepatite C é uma cerveja SEM ÁCOOL E QUENTE!!!!!!!

   Aí é fim de carreira!!!!!

3 comentários:

  1. Olá, há poucos meses descobri, quase sem querer, que tinha o tal vírus da hepatite C. Paulada na cabeça! Estou me preparando para enfrentar as amarguras do interferon. Fuçando a internet, descobri teu blog e achei muito interessantes as informações - principalmente sobre as cervejas sem álcool! Parabéns por zerar o danado! Espero conseguir o mesmo... Diz uma coisa, você poderá voltar a tomar cerveja depois do tratamento?
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu descobri também a pouco tempo hepatite C gero tipagem 3,e em dezembro comecei a tomar cerveja cem álcool,Brahma,itaipava,cristal,todas são boas não vou parar agora que começo o tratamento,tomara que eu consiga me afastas pelo inss porque dizem que o tratamento é chato.

    ResponderExcluir
  3. Bom pessoal, eu sou alcoólatra ja estou no final do tratamento, queria saber se cerveja sem álcool carta o efeito dos medicamentos, simeprevir e boceprevir?
    Detalhe meu vírus está quase zero em 4 SEMANAS, entrei na Quinta em Julho de 2016... parabéns guerreiros
    João Renato _ LAVRAS MG



    ResponderExcluir